Anúncios

Dedão pra fora e coração tranquilo nas estradas da Noruega

O maior defeito da Noruega na minha opinião é, quem diria, o sistema de transportes entre as cidades do país. A malha de trens é eficiente para levar pessoas entre as grandes cidades e as estradas estão em condições excelentes na maioria das vezes, PORÉM a vida de quem não tem um carro no país é complicada. Os ônibus são caros e não vão para todos os lugares e os barcos são ainda mais caro$. Não existe o mágico sistema de caronas pagas que funciona maravilhosamente na Alemanha e Áustria e está começando a rolar em outros países da Europa (anote a dica), ainda que de vez em quando apareça alguém indo de Berlin a Oslo por Copenhagen, o que já ajuda a chegar lá em cima.

Essa dependência do carro para viajar faz a vida do viajante independente e sozinho pela Noruega ser bem mais difícil.

O que fazer, então, se você não quiser pagar uma excursão caríssima, mas também não quer perder a chance de conhecer as formações rochosas/maritmas/glaciais mais lindas do mundo?

A minha primeira opção foi procurar auxílio na comunidade do Couchsurfing. Existem grupos de caronas pagas (carpooling), de gente que está procurando companheiros para alugar um carro e viajar junto (ridesharing e outras), de carona normal (hitchhikers)… procure comunidades que têm a ver com o que você quer, ache um subgrupo da Escandinávia/Noruega e coloque sua ideia de viagem por lá ou mesmo nos grupos-mãe. Você pode se surpreender com a quantidade de gente legal querendo fazer a mesma rota que você – ou falhar e partir para a outra opção.

Eu não achei gente pra alugar um carro comigo ou me dar uma carona até o Geirangerfjord, o fiorde que decidi visitar. Ok, eu procurei um dia antes da data que havia decidido ir, mas enfim. Podia ter acontecido de eu achar alguém… de qualquer forma, acho que vale procurar com uma antecedência maior, rs, conhecer melhor as pessoas que querem embarcar nessa com você e evitar de ir com malucos que não viajam na sua onda.

Pedindo carona na estrada

Decidi, então, colocar o dedão pra fora na estrada na beirada de Bergen e esperar por almas boas que pudessem me levar.

Havia lido muito sobre caronas em geral e também muitas histórias de como era difícil pedir carona na Noruega, etc, mas a minha experiência foi simplesmente EXCELENTE.

Fatores que acredito que fizeram a minha vida mais fácil:

– Eu estava sozinha.

– Eu sou mulher.

– Eu estava de banho tomado e cabelo penteado na medida do possível.

– Minha sorte é grande!

Encontrei três hippies anarquistas alemães em uma das paradas entre uma carona e outra e eles reclamaram que estavam tendo muita dificuldade de conseguir uma carona. Mas vale notar que eles não estavam com o banho em dia, vestiam roupas rasgadas e punk, levavam sacolas ao invés de mochilas e eram três caras querendo pegar carona juntos. Acho que não é preciso ter todas as características de “bom moço”, mas uma aparência confiável, principalmente no interior de um país onde a carona não é corriqueira, é mais do que necessário. E carona para três já é bem mais difícil de conseguir do que para um, né?

Acompanhe no google maps:

Na ida ao fiorde peguei três carros. O primeiro continha dois sócios de uma empresa de piscicultura em Bergen que estava indo a uma cidade em outro fiorde, no meio do país. Eles foram suuuper simpáticos, pagaram meu ferry de 13 coroas norueguesas – 4 reais – para atravessar o Sognefjord (o maior fiorde da Noruega) e me deixaram em um posto de gasolina, protegida da chuva que caía sem parar desde Bergen.

Neste mesmo posto já havia um senhor velhinho que estava levando seu barco até Trondheim e gostou muito da idéia de me dar uma carona para que conversássemos durante o trajeto até a estrada lateral que levava ao Geirangerfjord. Ele estava com sono e uma companhia é o melhor remédio pra essas horas. Viajamos conversando sobre a geografia da Noruega e sua história geológica, aprendi muito!

O velhinho me deixou nesse lugar aqui:

Na borda da estrada E6, na saída para o Geirangerfjord que é mais curta, mas fica fechada durante o inverno por causa da neve. Foi o tempo de tirar essa foto e um cara que trabalha em um hotel em Geiranger parou o carro e me perguntou se eu queria uma carona até o fiorde! Quer mais amor que isso?

A saída do fiorde até Trondheim, no norte do país, requeriu um pouco mais de tempo de espera. Na parada onde encontrei os hippies/anarquistas/alemães que também pediam carona, perguntei a famílias que estavam pegando seus carros no estacionamento por meia hora até conseguir a carona de um imigrante de Gana que mora em Trondheim e me deu carona até a porta da casa dos meus amigos que iam me hospedar lá.

Além desse cara gente finíssima, um fazendeiro que curte dançar twist e mora NO FIORDE que tinha acabado de visitar e um imigrande polonês foram as pessoas que me deram carona na segunda parte dessa aventurinha.

(foto tirada antes de pegar carona com o polonês gente-fina)

Mas tenho que dizer, não é tão fácil, viu?

– Percebi que só conseguia a atenção de gente que poderia me dar carona se estivesse usando a mochila, ao invés de deixa-la no chão aos meus pés.

– Quando não está chovendo, está fazendo um sol que esturrica o couro.

– Uma vez que você consegue uma carona, seu papel é entreter a pessoa que te aceitou no carro dela fazendo com que ela fique feliz de ter parado pra você, a menos que ela sinalize o contrário. E falar cansa, cansa, cansa…

Em compensação, na Noruega a paisagem NUNCA é feia.

E além de conseguir ir de Bergen até Trondheim passando pelo fiorde (lindo e assunto do próximo post) de graça, consegui conhecer diversas facetas e personagens que habitam a Noruega. Imigrantes, fazendeiros, gente de cidade, aposentados e jovens trabalhadores. Melhor do que ler uma tese de mestrado em sociologia da região 🙂

Anúncios
Comments
5 Responses to “Dedão pra fora e coração tranquilo nas estradas da Noruega”
  1. Fabi disse:

    da próxima vez leve um balão de hélio com você. de preferência com um formato bonitinho e bem colorido! fiz isso aqui na Irlanda e os sete motoristas que me deram carona – fui até o Norte, saindo de Dublin, e estava com um amigo – disseram que pararam por conta dos balões. 😛

  2. Rafo Barbosa disse:

    Eu ri demais com os fatores que te ajudaram a conseguir a carona. Um dia vou conseguir ser corajoso e aventureiro como vc Lívia!

    Queria ver foto dessas boas almas que te deram carona. Instagram neles!

    Vc comeu salmão norueguês? Vc tb acha que dificilmente vai ter uma experiencia gastronomica parecida na vida?

    Adorei essa dica: “Uma vez que você consegue uma carona, seu papel é entreter a pessoa que te aceitou no carro dela fazendo com que ela fique feliz de ter parado pra você, a menos que ela sinalize o contrário.”, mas acho que preciso fazer um curso para aprender como entreter europeus por mais de 5 minutos, eles sempre foram tao apáticos comigo.

    Beijosmil.

    • Liv disse:

      Rafo, não tirei foto de nenhum dos caroneiros! Ou teria colocado eles aqui 🙂
      Comi salmão no sushi e assado e achei normal… em Estolcomo comi um sensacional defumado no mercado, curti mais..!
      Faça uma volta ao mundo e vc vai ser o MESTRE SAYAJIN DA CONVERSA FIADA, sério
      Beijocas 😉

  3. Gostei muito do seu testemunho. Geralmente sou adepto de alugar carro mas realmente ser uma pessoa que está apresentável é meio caminho andado para conseguir boleia e ir viajando assim.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: