Anúncios

Berlim – Copenhagen de bicicleta: tentei e falhei

Um pedaço perdido do Muro de Berlim na saída da cidade.

Os departamentos de turismo da Alemanha e da Dinamarca criaram em conjunto um caminho especial para bicicletas entre as duas capitais. São trilhas maravilhosas quase sempre bem cuidadas e sinalizadas que passam por lagos, rios, florestas e vilarejos simpáticos.

O site da trilha (em inglês, dinamarquês ou alemão) dá todos os dados necessários para quem quer se aventurar na trilha: hotéis e campings no caminho, pontos turísticos, o mapa para o GPS disponível para download.

Como não ficar tentada a embarcar nessa viagem? Pois é.

Que saudade da Frida, minha bicicleta alemã…

Segui as dicas de dois amigos espanhóis que estão rodando o sudeste asiático de bicicleta e fizeram uma lista do que era essencial ter. Comprei uma boa magrela de segunda mão em uma oficina mecânica, onde já fiz uma revisão e aprendi a trocar um pneu furado. Comprei também mochila especial pra bike, luzes, material para reparo de pequenos problemas que podem ocorrer no caminho, garrafa d’água, enfim, tudo que eu precisaria para a viagem. Só me esqueci de um detalhe: fazer uma auto revisão.

O caminho foi incrível nos dois dias que consegui pedalar, mas meu joelho direito não curtiu o impacto dos 120 quilômetros rodados em dois dias e pediu penico. Resultado: um trem de uma cidade no meio do caminho até Rostock, onde fica o ferry até a Dinamarca, e uma carona até Copenhagen. Minha bicicleta e todas as coisas que havia comprado alguns dias antes ficaram de presente para meu host em Rostock que achei via couchsurfing.

Me arrependo? De maneira nenhuma! É maravilhoso ter o controle total do caminho, ritmo de viagem, tempo de paradas e onde dormir. É deliciosa a sensação de liberdade conferida pelo fato de carregar todos os pertences com a força das pernas. As decisões são todas suas, nada mais.

image

Sem mencionar as paisagens alemãs que vi e que nenhum outro jeito de viajar proporciona (a não ser à pé, mas aí é outra loucura). As florestas, os lagos, as framboesas silvestres que colhi no caminho. Impagável!

image

Outra vantagem foi ter conhecido o cara que me hospedou em Rostock, que me deu todas as dicas para pedir carona em ferries e deu o empurrão que eu precisava para começar a me locomover a dedo. Foi bem útil na Noruega, meu próximo destino.

image

O mar entre a Alemanha e a Dinamarca é preto!

Uma pena que o joelho agora tem mais humores que uma velha reumática, mas espero que o tempo se encarregue de terminar a cura. Não desisti da proposta, quero me recuperar, continuar andando de bike e me preparar melhor para longas distâncias (com peso extra de bagagem). Se o blog ainda existir até lá, conto tudo por aqui!

Anúncios
Comments
2 Responses to “Berlim – Copenhagen de bicicleta: tentei e falhei”
  1. Mateus disse:

    Muito bacana o esse site que incentiva o pessoal a fazer esse tipo de viagem. Tenho vontade de fazer um tour de bike pela Europa, no momento penso na região da Toscana na Itália, mas a sua exposição sobre essa rota específica pode ser uma boa também.

    Melhoras para vc e teu joelho, passou apenas uma batalha. Bola para frente.

    Um abraço

  2. Leticia disse:

    Ola Liv. Estou querendo fazer a parte desse trajeto na Dinamarca. Voce consegue me ajudar, pls, com informacoes de onde comprou a bike, faixa de preço e etc?

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: